Aldous Huxley smoking, circa 1946

Admirável mundo novo

Mais do que o 1984, de George Orwell, é a famosa utopia (ou distopia) de Aldous Huxley que se aproxima do nosso provável futuro

eunice

A discrição da poeta Eunice Arruda

Uma das haicaístas mais expressivas do País, Eunice morreu neste 21 de março, o Dia Mundial da Poesia. Discreta, foi muito admirada e querida no meio literário

Na foto de cima, Gilka é a mulher à esquerda e seu marido Rodolfo é o homem à direita, na parte de trás Crédito_ Revista Careta_Biblioteca Nacional 3

Uma segunda libertação

Marginalizadas em sua época, confira algumas das grandes escritoras brasileiras que tiveram suas obras redescobertas e reeditadas nos últimos anos

Foto: Reprodução

O berço da cultura impressa

Em um mosteiro encravado no alto da montanha, em Subiaco, monges já produziam livros gravados em madeira desde o século XIII

Foto: EDITORA CARAMBAIA / DIVULGAÇÃO

Verbetes satânicos de Ambrose Bierce

O “Dicionário do Diabo” foi publicado nos EUA em 1911, sendo até hoje referência de humor ácido contra ricos e poderosos. A nova edição em português, da Carambaia, traz os poemas cômicos do autor, suprimidos em versões anteriores

Foto: Luiza Sigulem

O tribunal virtual de Michel Laub

Em “O Tribunal da Quinta-Feira”, um de seus melhores livros, o escritor constrói uma ponte literária entre o julgamento moral que atingia as vítimas da Aids nos anos 80 e o linchamento virtual nos dias de hoje

Antônio-Callado-1024x628

Destaques de literatura

O centenário de Antonio Callado e uma homenagem a João Ubaldo Ribeiro fazem parte da seleção

Todorov alertava para os riscos do excesso teórico

Todorov, um leitor do mundo

Um dos pais do estruturalismo francês, o intelectual búlgaro, morto aos 77 anos, encontrou na literatura o ponto de partida para uma leitura do mundo

Antes mesmo da dissolução formal da União Soviética, em dezembro de 1991, estátuas do antigo líder comunista Vladimir Lênin foram derrubadas em diversas repúblicas do bloco em crise

Adeus, Lênin

Última obra do “ciclo vermelho” da escritora bielorussa Svetlana Aleksiévitch, O Fim do Homem Soviético narra como, apesar do colapso do império, o cidadão aficionado ao estilo de vida comunista continuou a existir