NESTA edição

Paulo Hoff

Um desafio para vencermos juntos

Diante da redução do PIB e dos orçamentos, a sociedade brasileira precisará fazer escolhas sobre o que será oferecido pelo seu sistema de saúde

Superintendente Einsten

Saúde: O horizonte possível

A sustentabilidade do setor precisa ser repactuada e implementada com o fortalecimento de instrumentos de governança, mensuração e maior incorporação tecnológica

bresser_pereira

A cópia do ultrapassado

Os países ricos não adotaram políticas neoliberais, que o atual governo brasileiro imita, para se tornarem ricos. Eles adotaram o desenvolvimentismo quando fizeram sua revolução industrial

Abertura_Artigos-Ed-113_600pixels

A morte anunciada do jornalismo

Em momento marcado pela perda da credibilidade e pelo surgimento de novas plataformas, persistir no jornalismo de qualidade é fundamental para a defesa intransigente da democracia

Maggy

Sob o poder de saturno

A influência do astro inaugura um ciclo em que as conquistas serão fruto de muito esforço e o radicalismo deve aumentar. Para o Brasil, a previsão é de mudanças positivas no início do ano

David Schurmann por Giulia Paulinelli_3

Que venham novos começos…

Está na hora de agir, expurgando de vez o que, um dia, já foi aceitável (ou tolerado) e que já não tem mais espaço em nossa sociedade e vida. Isso vale para tudo

TalesAbsaber-600-luiza-sigulem

Um país em chamas

O efeito produtor de impotências, dor e confusão na vida de todos que nos cercam emana tanto da má realização política de um impeachment falsificado quanto da efetiva crise econômica

Foto: Márcio Vasconcellos

O poema em imagens

Se “a cidade está no homem”, Márcio Vasconcelos está na cidade e no homem. “Visões de um Poema Sujo” não trata apenas de fotografia. Trata de existência. É uma procura dentro da obra escrita em 1975, quando Ferreira Gullar estava no exílio. É como um retrato. E um retrato será sempre um veredito

Gustavo Gallardo_ALTA

O futuro contra a corrupção

A efetiva aplicação da Lei Anticorrupção é uma ferramenta essencial para induzir a mudança de cultura de fornecedores em relação à gestão pública

Felipe de Paula2

O ano que não acabou

A escalada de violações aos direitos humanos vista em 2016 alerta para a necessidade de se organizar a defesa inconteste do Estado Democrático de Direito e das liberdades públicas

foto: Alcaldía de Medellín/fotos públicas

Um ano amargo

O acidente com o Avro RJ85 da LaMia foi a amarga cereja deste bolo de difícil digestão que é o ano de 2016

salém-nassar13-1170x687

O adivinho e o pessimista

O primeiro garante que mente mesmo quando acerta. O segundo, em algum momento, terá toda a razão. A ver

christiandunker6

O óbvio, o improvável, o imprevisível

Divido minhas previsões para 2017 em três tipos: as óbvias decorrências de tudo que estamos fazendo, as improváveis alterações de rota e as verdadeiras irrupções imprevistas