img_274

Os imperdíveis

Os lançamentos literários de novembro de 2016

Tadeu-Chiarelli

O museu como espaço de cidadania

Em artigo especial para a Brasileiros, o diretor artístico da Pinacoteca, Tadeu Chiarelli, escreve sobre o papel das instituições culturais diante de um contexto de crise

BRUNO CAPINAN

Diversidade amplificada

Do multifuncional André Whoong à estreia impecável de Laya; da guitarrada nortista de Félix Robatto à liberdade de gênero de Bruno Capinan: quatro álbuns que você precisa ouvir

Ilustração de "Para Onde Vamos", de Jairo Buitrago e Rafael Yockteng

Realidade e fantasia

Histórias de quilombo na Colômbia, travessias perigosas na fronteira entre o México e os EUA e também de um jacaré psicodélico

A rainha, durante o pronunciamento, conhecido como "o discurso do annus horribilis" - Foto: Reprodução

O “annus horribilis” de Elizabeth II

Assim mesmo, em latim, a rainha classificou o ano de 1992, marcado por escândalos na família real e por incêndio em seu castelo favorito

Em 1983, o Grupo Rumo se apresenta na Avenida paulista, no festival organizado pelo Lira para celebrar os 429 anos de São Paulo Foto: Gloria Fügel Foto: Gloria Flügel / Reprodução do livro "Lira Paulistana: um delírio de porão", de Riba de Castro

A paixão de Tulipa Ruiz pelo Grupo Rumo

Todo mês convidamos uma personalidade do universo cultural para escolher algum artista ou obra que tenha sido marcante em sua vida. Nesta edição, perguntamos para Tulipa Ruiz quem ela colocaria em seu “altar”

Noémia de Sousa. Foto: Divulgação / Kapulana editora

Sangue negro, navalha na carne

Conhecida como Mãe dos Poetas Moçambicanos, Noémia de Souza (1926-2002) tem sua poesia finalmente lançada no Brasil

AnaCosta

Extermínio do direito à saúde

O desemprego e a crise fazem aumentar cada vez mais a demanda pelo Sistema Único de Saúde. Mas qual SUS restará dos ataques à saúde pública brasileira?

Pedro Celestino

É hora de enfrentar a crise

A PEC do Teto dos Gastos é vendida pelo governo à opinião pública como indispensável para criar as bases para o desenvolvimento econômico sustentável, mas não é.

Alfredo Jerusalinsky

Quando morrem os elefantes

Vivemos com a sensação de que nada que fizermos poderá mudar nossa inexorável caminhada em direção ao fracasso, ao território da impossibilidade para nossos desejos mais elementares