Direitos mais que humanos

Congresso internacional realizado no Rio de Janeiro discute maneiras de combater e coibir a exploração sexual de crianças e jovens no mundo

Paulão de la Mancha

Depois de 40 anos de muito agito e um infarto, Paulo Maia, Paulão, prepara-se para cruzar o Canal da Mancha a nado

Uma tesoura e um sonho

Aos 80 anos, Maurice Plas comanda pessoalmente a alfaiataria que abriu, na Rua Augusta, em 1954

Yes, nós temos Tiger

Rogério Bernardo, o primeiro carregador de tacos e o primeiro negro a alcançar o topo do ranking do golfe brasileiro, sobrevive com apenas R$ 300 por mês na zona Sul de São Paulo

Minha aventura na pista 18

Como o escritor francês Saint-Exupéry, o jornalista William Waack é fascinado por aviões. William não escreveu O Pequeno Príncipe, mas assinou algumas das mais emblemáticas páginas do jornalismo brasileiro. Em sua nova ousadia, troca os estúdios da Globo pelo manche de um Cessna 172 todos os fins de semana e revela a emoção do primeiro pouso. Uma saga movida a subidas, descidas, cheiro de gasolina e o ronco do motor

Quilombo urbano

Fica na região de Campinas, em São Paulo, a primeira comunidade quilombola fora da área rural a ser reconhecida oficialmente. São cerca de150 descendentes de escravos, reunidos em 34 casas

Mãe de Santo à francesa

Esposa de ex-diplomata francês é a primeira mulher estrangeira a ocupar o posto de mãe-de-santo no Brasil

Outras noites no cais

Quarenta anos depois, inspirado no conto-reportagem Um Dia No Cais, do escritor João Antônio para a revista Realidade, o repórter da Brasileiros passou uma semana hospedado em um hotel na zona portuária de Santos. Aqui, ele narra o que viu da rotina de portuários, marinheiros, prostitutas, travestis, comerciantes, estivadores e outros tipos que vivem no entorno do maior porto da América Latina

De olho no futuro

Fundação Odebrecht e ONU firmam parceria e lançam centro de desenvolvimento comunitário que servirá como referência no País e na América Latina

Nova Era

Após séculos de preconceito e perseguição racial, os negros começam a entrar para a história pela porta da frente

Raras

Sem limites

Atletas das Paraolimpíadas de Pequim provam que é possível ter uma vida normal apesar das dificuldades impostas pela sociedade

No meio do caminho havia uma guerra

Se fosse um filme, soaria inverossímil. Em quatro semanas, o repórter Lourival Sant’anna, do Estadão, cobriu uma Olimpíada, viu a morte de perto duas vezes durante a guerra civil da Geórgia, acompanhou as convenções partidárias americanas e, antes de voltar ao Brasil, foi parar no olho do furacão. Literalmente.

Energia em dobro

Maior hidrelétrica do mundo, a Itaipu Binacional cria projetos tecnológicos e ambientais que envolvem a comunidade de Foz do Iguaçu