princesaleia

Carrie Fisher e o protagonismo feminino

Morta na última terça-feira, Fischer ficou consagrada pelo papel da Princesa Leia, uma das primeiras grandes protagonistas femininas da ficção cientifica no cinema

Hany Abu-Assad_OMAR(1) (1)

Palestina Now

Um dos mais conhecidos cineastas palestinos, Hany Abu Assad conta como foi filmar em Gaza seu mais recente filme, “O Ídolo”

Foto: Divulgação

A voz de um povo

“O ídolo”, novo filme do cineasta palestino Hany Abu Assad, conta a história verídica de um jovem cantor de Gaza que ganhou status de herói após vencer concurso de música

MON_ROI_2

Abismo conjugal

Com atuações marcantes, Meu Rei, da diretora francesa Maïwenn, conta a história de um relacionamento destrutivo

Domingos Oliveira com um retrato de sua mulher e parceira artística, a atriz e roteirista Priscila Rozenbaum. Foto: Marcos Pinto

Domingos em festa

Na comemoração de seus 80 anos, Domingos Oliveira desafia a morte e o mal de Parkinson e toca mais de 20 novos projetos, incluindo o filme “BR716″, que conquistou os prêmios de melhor filme e direção no Festival de Gramado

Sonia Braga, em cena de "Aquarius". Foto: Divulgação / Cinemascópio

Arquivos do tempo

Com carisma de sobra, Sonia Braga dá à Clara, protagonista de “Aquarius”, a altivez necessária para combater a especulação imobiliária e a destruição da memória

Kleber Mendonça Filho, em uma das salas de projeção do núcleo de cinema da Fundação Joaquim Nabuco, no Recife, espaço coordenado por ele há 18 anos. Foto: Fred Jordão

Sob o signo de Aquarius

Sucesso em mostras internacionais, vendido para mais de 60 países, o segundo longa-metragem de Kleber Mendonça Filho passa para agora pelo crivo do público brasileiro. Na entrevista a seguir, o diretor fala de sua trajetória, comenta o atual contexto político do País e celebra a feliz parceria com Sonia Braga

Pierre (Naomi Nero) é um adolescente bem resolvido com sua sexualidade ambígua. Foto: Divulgação / África Filmes

Questão de gênero

Inspirada em um caso real, Anna Muylaert discute questões como alteridade e empatia
em “Mãe Só Há Uma”, sucessor do premiado “Que Horas Ela Volta?”