Lançado em 1981 pela Pablo Records, o álbum contém clássicos como “A Felicidade”, “Samba de Uma Nota Só”, “Desafinado”, “Wave” e “Água de Beber”

A cantora norte-americana Ella Fitzgerald (1917 - 1996), diva do jazz que, nesta terça-feira (25), completaria 100 anos. Foto: Reprodução / Facebook

A cantora norte-americana Ella Fitzgerald (1917 – 1996), diva do jazz que, nesta terça-feira (25), completaria 100 anos. Foto: Reprodução / Facebook

Nesta terça-feira (25), Ella Fitzgerald, uma das mais expressivas vozes do século XX, morta em 1996, completaria 100 anos. Nascida em Newport News, Virginia, Ella partiu para Nova York ainda na infância após a separação de seus pais, William e Temperance. Com a morte precoce da mãe, vitimada por um infarto quando a futura diva do jazz tinha apenas 15 anos, Ella abandonou a escola e passou a viver de subempregos em estabelecimentos clandestinos, como bordeis e casas de apostas pertencentes à máfia. A incursão nesses meios ilegais resultou em breve prisão policial, internação em um reformatório, consequente fuga e nova acolhida em um orfanato no Bronx.

Quando residia neste último, Ella, que pretendia ser bailarina, teve a oportunidade de, aos 17 anos, em 21 de novembro de 1934, estrear como cantora no legendário Teatro Apollo, no Harlem. Foi o início de uma carreira triunfal, marcada por parcerias com alguns dos maiores nomes da música no século XX, entre eles, Louis Armstrong, Count Basie, Duke Ellington, Oscar Peterson, Dizzy Gillespie, Frank Sinatra e Quincy Jones.

Com passagens em gravadoras históricas como Decca, Verve, Blue Note e Pablo, entre álbuns de carreira, títulos ao vivo e coletâneas, Ella lançou mais de 80 registros fonográficos. A seleção inclui clássicos como  Lullabies of Birdland (1954), Ella Sings The Cole Porter Songbook (1956), Ella and Louis (1956), Porgy & Bess (1958), Ella and Basie (1963), Ella at Duke’s Place e Ella in London (1974)

Apaixonada pela música brasileira, especialmente pela Bossa Nova, Ella Fitzgerald conheceu o maestro Antonio Carlos Jobim em 1967, nos EUA, durante um programa televisivo capitaneado por Frank Sinatra, que, naquele ano, havia dividido um álbum com o brasileiro (ouça a versão de Corcovado). Quatorze anos depois, em 1981, por meio da Pablo Records, a cantora lançou um álbum em homenagem ao cancioneiro do nosso Maestro Soberano. Ella Abraça JobimElla Fitzgerald Sings the Antonio Carlos Jobim Songbook reúne clássicos como Vivo Sonhando, Wave, Água de Beber, Desafinado, Samba de Uma Nota Só, A Felicidade e Insensatez.

Em celebração aos 100 anos da Primeira-Dama da Canção, ouça abaixo a íntegra de Ella Abraça Jobim

Link curto: http://brasileiros.com.br/wjOOU
Tags: , , ,