Evento em São Paulo marca os 53 anos do golpe civil-militar

Foto: Reprodução/Facebook

Foto: Reprodução/Facebook

Familiares de vítimas da ditadura militar vão denunciar, nesta sexta-feira (31), a paralisação dos trabalhos de identificação de desaparecidos políticos e a continuidade das violações de direitos humanos no País. A data marca os 53 anos do golpe que deu início a 21 anos de ditadura militar no Brasil.

O ato “Onde estão os desaparecidos políticos? Estado de exceção ontem e hoje”, organizado por entidades como a Comissão da Verdade do Estado de São Paulo “Rubens Paiva”, Centro Acadêmico XI de Agosto, Comitê Paulista pela Memória, Verdade e Justiça, entre outros, acontece a partir das 9h30 no Salão Nobre da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo.

Durante o evento será lido um manifesto assinado por mais de cem instituições, coletivos e personalidades exigindo o fim da “dívida” do Estado brasileiro com os familiares das vítimas.

O documento denuncia o “engavetamento” do relatório final da Comissão Nacional da Verdade, publicado em dezembro de 2015, e o descumprimento da sentença da Corte Interamericana de Direitos Humanos, que em 2010 determinou a responsabilização de agentes do regime envolvidos em tortura, desaparecimentos forçados e execuções extrajudiciais no Araguaia.

O manifesto também chama atenção para as contínuas interrupções e atrasos no processo de identificação das ossadas encontradas em 1990 no cemitério de Perus, em São Paulo, e para retrocessos recentes na agenda nacional de direitos humanos.

“Quase 53 anos depois do golpe de 1964, o Estado brasileiro continua a vigiar e reprimir militantes e manifestantes por direitos tão básicos como a circulação, a saúde, a educação”, afirma trecho do documento. “Continua existindo uma polícia militarizada, contra as recomendações da ONU, da Comissão Nacional da Verdade e de outras Comissões da Verdade, bem como dos movimentos contra a violência policial e contra o encarceramento em massa e o genocídio da juventude preta, pobre e periférica.”

A agenda de mobilizações ao redor dos 53 anos do golpe civil-militar continuará ao longo do final de semana. Veja a agenda completa:

 

31/03, 9h30, no salão nobre da Faculdade de Direito da USP

https://www.facebook.com/events/260253604430021/

 

01/04, 15h30, no antigo prédio do Doi-Codi (Rua Tutóia, 921) https://www.facebook.com/events/163218174197669/

 

01/04, 9h às 12h30 – Caminhada da Resistência 

https://www.facebook.com/events/1374590922601853/

Link curto: http://brasileiros.com.br/CWmH7
Tags: