Desenvolvido em parceria com a Intel e o Google, o relógio tem visual esportivo e é equipado com ecossistema do Android Wear e com processador Intel dual core

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A centenária marca de relógios suíços TAG Heuer anunciou a chegada do seu primeiro smartwatch no Brasil nessa quinta-feira (07). Interessados no acessório de luxo poderão encontrar o TAG Heuer Connected em duas lojas da marca em São Paulo a um preço inicial de R$ 7.200.

O modelo foi lançado no ano passado com um estoque restrito a 100 mil unidades que, segundo a companhia, se esgotou rapidamente. Para 2016, a empresa decidiu dobrar a produção e aumentar o alcance de distribuição do relógio, incluindo o Brasil como um de seus destinos.

A marca suíça é uma das primeiras da alta relojoaria a se lançarem no cada vez mais competitivo mercado de smartwatches, um movimento que não visa necessariamente competir com a Apple ou Samsung, mas que também busca, inevitavelmente, um público consumidor mais jovem. 

“Eu não diria que é um relógio que compete com essas marcas”, avalia Freddy Rabbat, representante da marca no Brasil. “Trata-se de um relógio que passa por gerações. São produtos diferentes”, defende. 

Rabbat explica um novo conceito que a marca introduz para tentar resolver o que se convenciona como “obsolescência programada”, quando tecnologias são superadas por uma nova geração de dispositivos. Ao comprar um relógio conectado da TAG Heuer, o cliente poderá trocá-lo eventualmente por um modelo mecânico. 

“Como qualquer produto eletrônico, ele vai se atualizar sozinho por muito tempo, recebendo da mesma forma updates. Mas chega um momento onde o hardware não acompanhará o que o software exigirá, como qualquer computador ou celular. Então, o cliente poderá ir até uma loja e trocar toda a alma eletrônica do relógio por um relógio tradicional, totalmente mecânico que vai durar gerações”, resume Rabbat. 

A troca por um relógio tradicional pode ser feita após o período de garantia de dois anos do relógio. No caso, clientes poderão trocar o TAG Heuer Connected por um Swiss Made TAG Heuer Carrera, com design similar criado exclusivamente para os proprietários do Connected Watch.

Especificações

Desenvolvido em parceria com a Intel e o Google, o TAG Heuer Connected tem visual esportivo e é equipado com ecossistema do Android Wear e com processador Intel dual core. Ele é compatível com smartphones Android e iOS, oferece tela circular LCD de 1,5 polegada com cristal de safira e 360 x 360 pixels de resolução, 1 GB de RAM e 4 GB de armazenamento interno. A conectividade do modelo se resolve tanto por Bluetooth e Wi-Fi. 

A bateria possui 410 mAh de capacidade, com autonomia para cerca de 25 horas. O aparelho também é acompanhado de base para carregador sem fio, cabo micro USB e plugue de parede. 

Em relação aos sensores, o relógio é equipado com acelerômetro, giroscópio, sensor de detecção de inclinação, além de microfone, motor sensível a vibrações/tato. Ele vem com pulseira de borracha preta texturizada, com possibilidade de troca para seis outras cores – vermelho, azul, branco, laranja, verde e amarelo, ou ainda pulseira de couro ou de titânio. 

Segundo Freddy Rabbat, a marca deve seguir investindo na linha de modelos conectados, uma tendência que para ele é inevitável.

“Estamos em um mundo onde a tecnologia é tudo hoje. Você tem três acessórios que têm disputado a atenção e o lugar do celular, o óculos, o fone de ouvido e o relógio. Acho que o relógio é o candidato mais certo para substituir o telefone. Eu diria que o potencial desse mercado é gigantesco”, prevê o executivo.

Link curto: http://brasileiros.com.br/glKEv
Tags: , ,