Professora de Economia da UFRJ, Denise Gentil defende a existência de um “cálculo distorcido” pelo mercado financeiro, que rasga a Constituição ao transformar em déficit a parte da contribuição previdenciária reservada à União

"Denise

 

Nem reforma política nem tributária. O mercado financeiro iniciou 2016 pressionando o governo federal a tirar do papel uma reforma da Previdência, capaz de preencher o rombo de R$ 124,9 bilhões no INSS previsto para este ano. Rombo? Professora de Economia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Gentil dedicou sua tese de doutorado para defender exatamente o oposto: o déficit previdenciário seria uma farsa provocada por uma distorção do mercado financeiro, que fecharia os olhos para um artigo da Constituição que exige participação da União na composição da Seguridade Social, da qual a Previdência faz parte. “Por essa metodologia, houve déficit de R$ 87 bilhões de janeiro a novembro de 2015”, diz.

Acontece que, quando as contribuições previstas pela Carta entram na conta, o déficit se transforma em superávit. O de 2014 foi de R$ 56 bilhões. “A pesquisa que realizei leva em conta todos os gastos com benefícios, inclusive com pessoal, custeio dos ministérios e com a dívida dos três setores: Saúde, Assistência Social e Previdência”, explica. Denise ironiza o “súbito” interesse do mercado financeiro pelo futuro da Previdência e não poupa de críticas o ajuste fiscal implantado pelo governo. “Dilma está fazendo o que os tucanos desejaram, mas não tiveram força política para fazer.”

Brasileiros – A sua tese de doutorado diz que existe uma “farsa contábil” que transforma em déficit o superávit do sistema previdenciário. Que farsa é essa?
Denise Gentil – O artigo 195 da Constituição diz que a Seguridade Social será financiada por contribuições do empregador (incidentes sobre a folha de salários, o faturamento e o lucro), dos trabalhadores e do Estado. Mas o que se faz é um cálculo distorcido. Primeiro, isola-se a Previdência da Seguridade Social. Em seguida, calcula-se o resultado da Previdência levando-se em consideração apenas a contribuição de empregadores e trabalhadores, e dela se deduz os gastos com todos os benefícios. Por essa metodologia, houve déficit de R$ 87 bilhões de janeiro a novembro de 2015. Pela Constituição, a base de financiamento da Seguridade Social inclui receitas como a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e as receitas de concursos de prognóstico (resultado de sorteios, como loterias e apostas).

De quanto foi o superávit da Seguridade Social no ano passado?
Quando essas receitas são computadas, obtém-se superávit de, por exemplo, R$ 68 bilhões em 2013 e de R$ 56 bilhões em 2014. Mas essa informação não é repassada para a população, que fica com a noção de que o sistema enfrenta uma crise de grandes proporções e precisa de reforma urgente. Há uma ideia de insolvência e precariedade generalizada que, no caso da Previdência, não corresponde à realidade.

Então por que tanta pressão por reforma?
O objetivo é cortar gastos para dar uma satisfação ao mercado, que cobra o ajuste fiscal. Nada é dito sobre os gastos com juros, que entre janeiro e dezembro de 2015 custaram R$ 450 bilhões, o equivalente a 8,3% do PIB. Ocorre que o governo fez enormes desonerações desde 2011. Em 2015, chegaram a um valor estimado em R$ 282 bilhões, equivalente a 5% do PIB, sendo que 51% dessas renúncias foram de recursos da Seguridade Social. Essas desonerações não produziram o resultado previsto pelo governo, que era o de elevar os investimentos. Apenas se transformaram em margem de lucro.

Em 50 anos, o volume dos inativos corresponderá a mais da metade da população brasileira, segundo o IBGE. Mesmo assim não é necessária alguma mudança na lei para garantir aposentadoria no futuro? 
É incrível que a burocracia estatal e uma parte da sociedade (o “mercado”) se preocupem tanto com o que acontecerá daqui a 50 anos. Subitamente, elas foram acometidas por um senso de responsabilidade com o futuro que não dedicam à educação, segurança, saúde… Só ocorre com o futuro da Previdência. Não é suspeito? O que precisamos, aqui e agora, é incluir um contingente enorme de pessoas que não têm acesso à Previdência. Aproximadamente 43% da população economicamente ativa vive sem direito a auxílio-acidente, seguro-desemprego, aposentadoria, pensão. A população envelhecerá, mas o que precisaremos não é de uma reforma previdenciária, mas de uma política macroeconômica voltada para o pleno emprego e que gere taxas elevadas de crescimento. É também necessário políticas de aumento da produtividade do trabalho com investimentos em educação, ciência, tecnologia e estímulos à infraestrutura. Esses mecanismos proporcionarão a arrecadação para o suporte aos idosos. Cada trabalhador será mais produtivo e produzirá o suficiente para elevar a renda e redistribuí-la entre ativos e inativos. Não podemos ficar presos a um determinismo demográfico.

Como estabelecer uma idade mínima de 65 anos para a aposentadoria em um país onde um trabalhador com mais de 40 anos é considerado velho?
A idade mínima que o governo quer instituir é para as aposentadorias por tempo de contribuição (hoje de 30 anos para as mulheres e 35 anos para os homens), que representam 29% das concessões. Ocorre que estes normalmente começaram a trabalhar cedo. Sacrificaram seus estudos, ganham menos, têm saúde mais precária e vivem menos. Essas pessoas formam dois grupos. Os que se aposentam precocemente acabam voltando a trabalhar e a contribuir para o INSS; não são um peso para a União. Outros que se aposentam mais cedo o fazem compulsoriamente porque não conseguem manter seus empregos, na maioria das vezes por defasagem entre os avanços tecnológicos e sua formação ultrapassada, ou pelo aparecimento de doenças crônicas que certos ofícios ocasionam. Estes já são punidos pelo fator previdenciário, que reduz o valor do benefício. Tratar a todos como se o mercado de trabalho fosse homogêneo ao criar idade mínima é injusto e cruel, principalmente numa economia em recessão.

Defensores da reforma pedem que a idade mínima para se aposentar seja a mesma entre homens e mulheres. Como exigir igualdade de tratamento na concessão de benefícios se a mesma igualdade não existe no mercado de trabalho?
Concordo. A Constituinte de 1988 visou compensar o salário menor e a dupla jornada de trabalho da mulher. Levou em consideração o fato de ela cuidar das crianças e dos idosos da família e de ter uma jornada muito superior a dez horas de trabalho diário. Esse desgaste, que compromete a saúde, teria que ser compensado com regras mais brandas de aposentadoria. E, de fato, as estatísticas mostram que as mulheres vivem mais que os homens, mas sofrem muito mais de doenças crônicas a partir dos 40 anos. Vivem mais, mas vivem pior.

Não é aconselhável uma reforma na aposentadoria de deputados e senadores?
As regras para essas aposentadorias foram alteradas. É semelhante às regras previdenciárias do servidor público federal. Para o recebimento integral, exige 35 anos de contribuição e 60 anos de idade sem fazer distinção entre homens e mulheres. Mas a conta sempre ficará para os trabalhadores do setor privado, que já sofreram uma minirreforma da Previdência no apagar das luzes do primeiro governo Dilma, com a revisão das pensões por morte, com as mudanças no seguro-desemprego e no abono salarial, no auxílio-doença, e, muito provavelmente em breve, haverá revisão nas aposentadorias especiais. Isso tudo adicionado à mudança na Previdência dos servidores públicos que aconteceu em 2012.

Surpreende que as mudanças tenham vindo em um governo de esquerda?
O governo Dilma está fazendo o que os tucanos desejaram, mas não tiveram força política para fazer. A esquerda hoje vive o constrangimento enorme de ter que apoiar um governo desconcertante, retrógrado, privatista, conservador até a medula, que ataca os direitos sociais conquistados com muita luta por sua própria base de apoio. Um dia vai às ruas contra o impeachment. No dia seguinte, vive um pesadelo.Tem que se posicionar contra tudo o que o governo propõe no campo do ajuste fiscal. O que realmente quer essa militância de um governo que só pede apoio para se livrar do impeachment sem dar nenhuma contrapartida?

Link curto: http://brasileiros.com.br/czZwK
Tags: , , , ,
  • elissandra alvin

    Sei que essa discussão foi a bastante tempo mais quero opinar, eu achei muito esclarecedor esse artigo, eu concordo muito na questão de contrapartida da isenção das empresas onde as mesmas ganha quando são merecedoras exemplo contratação etc como diz este artigo, fora outros fatores já pontuados, sei que a seguridade social tem gasto muito, mais sei também que a previdência social tem gastado também mais a todo tempo tem contribuições entrando, fora aqueles que ficam pro governo onde ninguém recebe o benefício seja por não ter dependentes, e tal fora concursos e prognósticos que só ai entra uma grana preta, mais a minha pergunta principal hoje é: se esse rombo existe porque nosso presidente autorizou o pagamento de contas inativas do fgts quando milhares de pessoas tem 2 3 ou mais e sei que vai ter grande número de pessoas em todo Brasil fazendo esses saques, só isso ai vai ser uma grande quebradeira e ao mesmo tempo alguém me responde por favor?

    • Rui

      Os recursos que a CEF recebe do FGTS não ingressam no sistema previdenciário (normalmente o fundo financia empreendimentos imobiliários muitas vezes erigidos por odebrechts da vida). Ademais, a forma de remuneração do FGTS faz com que o governo se apodere indevidamente de recursos do trabalhador, então essa liberação é justa pois os empregados podem investir os recursos em aplicações financeiras muito mais rentáveis.

      • elissandra alvin

        Obrigado rui

  • Narciso L. Junior

    ”Se pegarmos o dinheiro usado para todos os gastos e transformarmos em previdência dá e sobra” xenial!

  • Humberto Diego

    Pq ninguém comenta o fato dessa tese ser feita levando em consideração os dados de 1990-2005?

  • Lucas Sandoval

    O rombo da previdência existe e é causado pelos privilégios dos funcionários públicos do médio e alto escalões. O texto de uma funcionária pública do médio escalão falando que não existe tem relevância zero. Ponto final.

  • Gilberto N. Jr

    Poucos comentários, mas já é um início de debate!

  • Paulo Roberto Steindoff

    A farsa é maior. 1. O salário do aposentado é 40% menor que a do trabalhador da ativa. 2. Os aposentados também contribuem. 3. Um trabalhador costuma contribuir o triplo do tempo que irá usufruir como aposentado. 4. Quando rende no mercado financeiro os 35 anos de contribuição dos trabalhadores da ativa? 5.Por que terrorista tem aposentadoria sem nunca ter contribuído? 6. A contribuição das empresas é a fundo perdido, pois empresa não se aposenta.

  • Paulo Roberto Steindoff

    A farsa é ainda maior: 1. O salário do aposentado é menor que a do trabalhador da ativa. 2. O trabalhador costuma contribuir o TRIPLO do tempo que irá usufruir da aposentadoria. 3. A contribuição da empresa é a fundo perdido, pois empresa não se aposenta. 4. No cálculo de que existem 9 trabalhadores na ativa para 1 aposentado, escondem o fato de que o aposentado também contribui. 5. Quando rende no mercado financeiro a contribuição de 35 anos feita pelo trabalhador na ativa? Na verdade, para a previdência ser superavitária bastaria ter meio trabalhador na ativa para cada aposentado

    • Marcos Ramos

      Boa!

  • MARIO LUIZ ITABORAHY MACHADO

    INCLUSIVE QUANDO VIGORAVA A CPMF ELES NUNCA CONSEGUIRAM FINANCIAR A SAÚDE E TODOS SABEM O QUE FOI FEITO DESSSES RECURSOS QUE QUERIAM RESSUSCITAR DE NOVO

  • MARIO LUIZ ITABORAHY MACHADO

    MESMO LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO QUE OS RECURSOS DO COFINS E CSLL SEJAM APLICADOS EM SAÚDE E ASSITÊNCIA SOCIAL QUE FAZEM PARTE DA SEGURIDADE SOCIAL, OS JUROS ABSURDOS, IRREAIS, PERNICIOSOS QUE O BRASIL PRATICA E QUE CONSTITUEM O FUNDAMENTO DESSE FAMIGERADO PLANO REAL QUE TRANSFORMOU O BRASIL EM MUM CASSINO E EM MUM PAÍS IMPORTDOR DE CRÉDITOS EXTERNOS E DIVIDAS FALINDO AS FINANÇAS PÚBLICAS, A INDÚSTIA NACIONAL E GERANDO EM,PREGOS NO EXTERIOR E RANDO EMPREGOS DOS BRASILEIROS PARA ENCHER E EMPANTURAR AS BURRAS DOS JÁ BILIONÁRIOS BANQUEIROS E AGIOTAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS E AS DESONERAÇÕES DESCABIDAS DO GOVERNO DILMA ROUSSEFF FEITAS POR FALTA DE CORAGEM DELA EM SE CONFRONTAR COM O DEUS MERCADO E PARA AGRADAR A MÍDIA PARTIDO ÚNICO, NÃO SÓ NÃO SURTIRAM EFEITO, COMO AGRAVARAM AS CONTAS PÚBLICAS E AS CONTAS DA PREVIDÊNCIA E AINDA PIOR NÃO GEROU NINVESTIMENTOS NEM RENDA NEM CONTROLOU A INFLAÇÃO E NEM AUMENTOU O APORTE DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDÊNCIÁRIAS OU SEJA OS EMPRESÁRIOS INESCRUPULOSOS, INCOMPETENTES, DEMAGOGOS, CRIMINOSOS, RESPONSÁVEIS PELA CRISE E GOLPISTAS ENCHERAM O BOLSO DE DINHEIRO COM RECURSOS PÚBLICOS, OU SEJA MAMARAM NAS TETAS DO GOVERNO VIA BNDES, OUTRA QUESTÃO AS RECEITAS DE CONCURSOS DE PROGNÓSTICOS NÃO SÃO MENCIONADAS E CONSTITUEM IMPORTANTE FONTE DE ARRECADAÇÃO, OS RECURSOS DA PREVIDÊNCIA COMO OS DO FGTS FORAM E SÃO DESVIADOS, OU SEJA DESVIO DE FINALIDADE PARA ABASTECER CAMPANHAS E UTILIZADOS EM OUTROS PROPÓSITOS, PREVIDÊNCIA É SEGURO NÃO É BENEFÍCIO O GOVERNO TEM QUE HONRAR OS PAGAMENHTOS DA MESMA MANEIRA QUE HONRA E SE PREOCUPA TANTO COM OS TÍTULOS DA DIVIDA PÚBLICA QUE ESTÃO NAS MÃOS DOS AGIOTAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS , O CONTRIBUINTE BRASILEIRO NÃO PODE LEVAR CALOTE ASSIM COMO SEUS SÓCIOS DO EXTERIOR DESEJAM SER HONRADOS, O CONTRIBUINTE BRASILEIRO TEM QUE ESTAR EM PRIMEIRO LUGAR, OS INTERESSES DO BRASIL TEM QEU ESTAR EM PRIMEIRO LUGAR, O IMPOSTO SOBRE GRANDE FORTUNAS E A TAXAÇÃO DAS REMESSAS DE LUCRO DAS MULTINACIONAIS AO EXTERIOR , TAMBÉM SERIAM OUTRAS IMPORTANTES FONTES DE FINANCIAMENTO DA PREVIDÊNCIA, O AUMENTO DA ALÍQUOTAS DE CONTRIBUIÇÃO SOBRE A CASTA POLITICA DO PAÍS, SOBRE O JUDICIÁRIO E OUTROS SETORES PRIVILEGIADOS DA SOCIEDADE, TAMBÉM SERIAM IMPORTANTES FONTE DE RECURSOS, ALÉM DE TUDO SERIEDADE, ZELO, TRANPARÊNCIA, ÉTICA E GESTÃO EFICIENTE DOS RECURSOS PÚBLICOS É FUNDAMENTAL, COISA QEU ELES NÃO TEM NÃO QUEREM TER POI A FIANLIDADE DESSE BANDO DESSA QUADRILHA QUE ESTÁ NO PODER É ENFRAQUECER O PÚBLICO EM FAVOR DO DEUS MERCADO ESSE POSICIOMNAMENTO IDEOLÓGICO, FRACASSADO DE INVIABILIZAR NÃO SÓ A PREVIDÊNCIA, COMO O SERVIÇO PÚBLICO FAZ PARTE DA TRAMA DESSA CORJA DE SANGUESSUGAS DE VAMPIROS, CORRUPTOS E INCOMPETENTES QUE ESTÁ NO PODER.
    PARA FINALIZAR AS CONCESSÕES INDEVIDAS DE APOSENTDORIAS E PENSÕES PARA QUEM NÃO CONTRIBUI PARA A SEGURIDADE SOCIAL, SE DEVE A DEMAGOGIA PRIVATISTA DE PRECARIZAR ASD RELAÇÕES DE TRABALHO SE ELES TIVESSEM INTEÑÇÃO DE FATO DE SOLUCIONAR O PROBLEMA DO TAL DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA QUE É VIRTUAL E NÃO REAL É PROPOSITAL, ESTARIAM, ESTIMULANDO NÃO SÓ A FORMALIZAÇÃO DO TRABALHO TANTO NA ÁREA URBANA, QUANTO NA RURAL, BEM COMO INSTITUIR MEDIDAS DE FATO PARA GERAR PLENO EMPREGO E AUMENTAR O NÚMERO DE CARTEIRAS ASSINADAS, POIS ATÉ TRABALHO ANALOGO A SERVIDÃO DA IDADE MÉDIA E TRABALHO ESCRAVO EXISTEM EM DIVERESAS REGIÕES DO BRASIL INCLUSIVE CONSIDERADAS PRÓSPERAS E RICAS.

    CONSIDERO UM DEBOCHE, UM MENOSPREZO E UMA PROVOCAÇÃO A INTELIGÊNCIA ALHEIA DIZER QUE O MOTIVO REAL DO TAL DÉFICIT PREVIDENCIÁRIO É O ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO SERIA CÔMICO SE NÃO FOSSE TRÁGICO E MOTIVO DE CHACOTAS E GARGALHADAS, POIS GRANDE PARTE DAS PESSOAS QUE CONTRIBUEM PARA A PREVIDÊNCIA, QUE TEM BAIXA EXPECTATIVA DE VIDA,NUNCA CHEGAM A USUFRIR DE SUA CONTRIBUIÇÃO E ANULARIA PELO MENOS EM PARTE O TAL ÔNUS DOS QUE RECEBEM SEM CONTRIBUIR PORQUE NÃO LHES É DADO OPRTUNIDADE DE SEREM CIDADÃOS DE FATO ED E DIREITO , ENFIM A FARSA DO DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA FOI MUIOT BEM DENMONSTRADA E COMPROVADA ATRAVÉS DE NÚMEROS PELO BRILAHANTE TRABALHO DE TESE DE DOUTORADO DA DOUTORA DENISE GENTIL, MUITO CLARO E NÍTIDO, O DÉFICT DA PREVIDÊNCIOA DE FATO NÃO EXISTE ELE É VIRUTAL E NÃO REAL É PROPOSITAL É PROVOCADO PARA QUE SEJAMOS INDUZIDOS(SOFIMA) A CONCLUIR QUE SÓ RESTA UMA ALTERNATIVA A PRIVATIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA BEM COMO OCORREU COM OUTRAS INSTIUIÇÕES PÚBLICAS OU SEJA ATO DELIBERADO E CRIMNOSO CUJOS OS RESPONSÁVEIS E O DEUS MERCADO DEVEM PAGAR O PREÇO.

    ,

  • rosa maria ribeiro

    Acho q existem muitas farsa, e muitas mentiras que serão, e muitas que não serão descobertas jamais. Acompanho a política, meio de longe sempre, mas ultimamente, bem mais. Sou uma simples cidadã brasileira, com ensino médio. Mas tenho visão bem clara do que aconteceu, do que acontece com o nosso Brasil. Infelizmente, a maioria dos brasileiros, na mesma condição que eu, não se interessam por nada disso. E penso que iremos precisar agora de um novo super-herói, ao menos para acordar o Brasil. Está tudo muito confuso e sem caminho determinado para nós.

  • Carlos de Souza

    E quem disse que um “doutor” está isento de falar e fazer bobagens? Estão aí os senhores Aluízio Mercadante, Guido Mantega, José Eduardo Cardozo, Fernando Haddad, entre outros, para provar que o título não significa saber indiscutível.

  • http://www.facebook.com/osvaldo.aires.1 Osvaldo Aires Bade

    Tudo que o governo poe a mão tem roubo a péssima gerencia.

  • http://www.facebook.com/osvaldo.aires.1 Osvaldo Aires Bade

    Se roubam até doce de criança por que não a Previdência?

    .

  • Alexandre Aleixo

    Nunca existiu dívida…. tudo invenção… o nosso dinheiro é infinito e já foi provado matematicamente.

  • João Lopes

    vá no portal da transparência e faça você as contas

  • João Lopes

    E a matemática que se foda! Todos os numeros são divulgamos em pormenores no portal da transparencia

  • Saulo Oliveira

    Fora que a população idosa hora ou outra irá diminuir drasticamente devido que a média de filhos em outras épocas era muito superior das de hoje. Estão querendo nos sugar com essas reformas, levamos o país nas costas e não mexem nos verdadeiros rombos mastodônticos que há no governo, cade a reforma política? .

    • João Lopes

      Cara, a questão é que todas as receitas e despesas estão divulgadas no portal da transparência e o texto é uma inverdade!
      http://transparencia.gov.br/

  • Vitor Sorenzi
  • Rodrigo

    Na minha opinião, O
    “Déficit”, se existir, vem do passado, dos saques que os vários
    governos fizeram ao longo de décadas no caixa da Previdência. Seja para
    construir obras de infraestrutura, seja para dar aposentadoria para quem nunca
    contribuiu (Trabalhador Rural – que nem deveria ser chamado de
    aposentadoria e que não deveria sair do caixa da previdência), seja para dar
    desonerações fiscais para setores da economia, seja pela falta de repasse das
    contribuições e verbas previstas pela Lei, seja pela malversação dos recursos
    da Previdência ao longo dos anos, etc…, o governo usou o dinheiro da
    Previdência e não devolveu. Em todos estes casos o Governo deveria e ainda deve
    ressarcir o caixa da Previdência, uma vez que é uma dívida que o mesmo tem com
    ela. Só a partir daí, então, discutir eventuais déficits porventura ainda
    existentes(o que não acredito que existam), sem pegar de calças na mão quem sempre
    confiou nesses mesmos governos ao longo dos anos e que agora, na hora de pensar
    em descansar, vê seus direitos serem ameaçados de serem subtraídos, mais uma
    vez, com a pérola da decisão do Supremo, para não dizer a jabuticaba da decisão
    do Supremo, que não considerou direito adquirido, nem quebra de contrato,
    nem risco de insegurança jurídica, a mudança das regras da aposentadoria para
    quem já estava no sistema e já tinha um contrato assinado, com regras
    especificadas, mas sim uma mera expectativa de direito adquirido. Porque o Governo não devolve esse dinheiro à Previdência, corrigido com as mesmas taxas que o fizeram pagar aos Bancos, em apenas um ano(2015), aproximadamente R$ 450 Bilhões de juros da dívida pública????

  • José Leite Pereira Pereira

    Eis, Ai. Neste debate sobre direito, sendo que direito todos nos sabemos que temos, Mas ai em Brasília, aonde que o poder neste lugar, é feito como um Carrasco que agem como nas pena de morte como nas guilhotina de frigorifico o Extermino do Fim em Abati, Ai as Leis já esta em Extinção neste lugar desse plenário do planalto de Brasília neste lugar já esta Esteada as Bandeira da Mentira da Traição, Ai, Acredita se Quiser, Quando um Pais se encontra em Crise, O Primeiro a ser Sacrificado é a População Civil, que seja qual for a Crise, Então Deus que Nos Defenda.

  • Sujeito Brasileiro

    o POVO BRASILEIRO QUE CONSEGUIR CHEGAR AOS 65 ANOS E APOSENTAR, VAI CURTIR A APOSENTADORIA, NO HOSPITAL, ACABADO. oU SEJA, NÃO VAI TER APOSENTADORIA PARA ESSES POBRE COITADOS. A MAIORIA NEM VAI APOSENTAR É CLARO.

  • Sujeito Brasileiro

    Trabalhadores não podemos aceitar este assalto de mãos armadas que o desgraçado deste Meireles quer fazer jamais. Todo trabalho de 30 anos ou mais, agora na reta final perder tudo???? Eles que aprendam a ser gestores da xoisa pública que não existe défict não, a Mulher aí está corretíssima. Eles alarmam a população, para os idiotas dizerem: “É vamos nessa, precisamos fazer sacrifícios pelo país”. Eu digo, fazer sacrifícios para o bando de mal administrador fazer a farra? NÃO ACEITO ISTO, NÃO PODEMOS ACEITAR, FORA MEIRELES, EXPLORADOR DO POVO TRABALHADOR, FORA .

  • Luiz Carlos Lyrio

    Prestem atenção.: O déficit da previdência social de “1” milhão de servidores públicos da União e militares já é maior dos que o dos “24” milhões de trabalhadores
    da iniciativa privada que recebem pelo INSS. Façam os cálculos, em qual aposentadoria devemos realizar alterações? Servidores públicos ou inss? Respondam.

    • Sujeito Brasileiro

      Gostei dessa amigo. Como devemos agir ou gritar, ou fazer para esses idiotas, mudar o que esta errado e não assaltar o trabalhador? o que fazer?????

    • João Lopes

      As duas vão sofrer alterações! Parabéns pelo comentário! Finalmente… ufa…Só pela imagem do perfil, tem meu respeito!

  • Rubens Gonçalves

    DEVE SER POR ISSO QUE O HENRIQUE MEIRELES QUER FERRAR O TRABALHADOR AO PROPOR A IDADE DE 65 ANOS PARA O POVO BRASILEIRO SE APOSENTAR AGORA. O MERCADO FINANCEIRO QUER É A EXPROPRIAÇÃO DO LUCRO DA PREVIDENCIA EM CAUSA PROPRIA. E A GRANDE MIDIA DANDO CORDA AO MINISTRO DA FAZENDA. TEMOS QUE DENUNCIAR ESSA FARSA. NEM TEMER NEM DILMA.

  • Mauricio Fleury da Silveira

    Isso me cheira um discurso político muito conveniente. Deixe-mos os números da economia falarem por si só.

  • Helder Barros Goes

    Eu pensava que nem ela, mas aprofundando mais, ela não tem razão totalmente. Digamos que ela distorceu um pouco.

    Vamos lá: “Primeiro, isola-se a Previdência da Seguridade Social. Em seguida, calcula-se o resultado da Previdência levando-se em consideração apenas a contribuição de empregadores e trabalhadores, e dela se deduz os gastos com todos os benefícios. Por essa metodologia, houve déficit de R$ 87 bilhões de janeiro a novembro de 2015. Pela Constituição, a base de financiamento da Seguridade Social inclui receitas como a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e as receitas de concursos de prognóstico (resultado de sorteios, como loterias e apostas).”

    Ela fala que isolam a previdência de seguridade social. Isso é natural, pq a previdência é o único que exige contribuição compulsória. Além disso, ele possui duas fontes exclusivas e que não dá para gastar em outro lugar (contribuição dos empregados e dos empregadores).

    Então ela arremata falando sobre a CSLL e a COFINS, que o governo não coloca na conta. A resposta é simples: o governo usa esses dois tributos nas outras duas áreas da seguridade social, a saúde pública e assistência social.

    Se o governo usar a CSLL e a COFINS na previdência, vai sobrar menos ainda para a saúde e a assistência social, e aí o rombo “muda” de lado, entende?

    Mas existem algumas coisas que o governo poderia controlar melhor. Por exemplo, existe muita aposentadoria rural que não deveria ser concedida. Em cidades do interior, o pessoal nem tem terra, trabalha (sem assinar a carteira), e ainda assim recebem … isso é o motivo do rombo? Acredito que não, mas um controle melhor já evitaria desperdícios.

    A solução para esse problema não faço ideia qual é, mas é um problema real, infelizmente.

    • João Lopes

      UFA! Até que enfim alguém entedeu!

    • rosa maria ribeiro

      O problema maior são os altos salários, pensões, e aposentadorias dos próprios parlamentares, judiciário, comissionados, e por aí, vai.

    • Alexandre Laranjeira

      Caro Helder,

      Sua análise carece de crítica, à luz do texto da Constituição Federal.

      Em primeiro lugar, o governo não é necessariamente obrigado a usar as receitas da CSLL e da COFINS especificamente para as despesas com assistência social e saúde.

      Na verdade, todas as receitas derivadas de contribuições previdenciárias propriamente ditas, sejam elas dos segurados ou patronais, bem como as receitas decorrentes da arrecadação da CSLL e da COFINS integram um orçamento chamado “Orçamento da Seguridade Social” (art. 195, especialmente o seu § 2º.)

      Por sua vez, este orçamento fará frente às despesas com previdência social, assistência social e saúde, sem que haja “verba carimbada”, isto é, não há previsão constitucional no sentido de que a arrecadação deste ou daquele tributo seja atribuída a esta ou aquela despesa.

      Finalmente, a saúde pode ser financiada com outros recursos oriundos do orçamento da União, conforme o teor do art. 198, § 1º, do Texto Constitucional.

      Vê-se, portanto, que não há déficit no tocante ao orçamento da seguridade social.

      Agora, discutir a grandeza de nossa despesa previdenciária é outro assunto. Proporcionalmente em relação ao PIB, estamos gastando mais com previdência do que muitos países desenvolvidos, daí a necessidade de reforma.

      Abraços,

      Alexandre.

      • Tiago Barnavelt

        A Gentil dá a entender que existem recursos de CSLL e outros à disposição da previdência e que deveriam entrar no cálculo, gerando superávit. Assim, estaríamos sendo enganados. Mas omo Helder já disse, esses recursos que ela menciona já têm destino, também constitucional, como saúde. Se tirarmos da Saúde, apenas transferimos a conta pra lá. “Ah, mas podemos tirar de outros ministérios.” É mesmo? Viu o que aconteceu quando tentaram tirar da Cultura? Como Carl Sagan bem disse, “Extraordinary claims require extraordinary evidence”. As da Gentil são simplistas.

  • Fabiano Caixeta Duarte

    A nobre doutora parece ter desconsiderado, no que diz respeito a tempo de contribuição, que os ricos contribuem para seus filhos desde tenra idade para que eles tenham mais uma fonte de recursos durante vários anos de sua longeva e confortável vida. Naturalmente, as contribuições iniciais são mínimas, pois não irão impactar no cálculo. Assim, o tempo em que os abastados estão estudando ou passeando, esta sendo contabilizado como estando trabalhando.

    • Carlos de Souza

      Não considerou pq até a autora dessa tese delirante sabe que os ricos são ricos pq sabem investir seus recursos e que por isso não jogariam seu dinheiro no saco sem fundo e mal gerido da previdência pública. Quem pode, investe em fundos de previdência privada, que são garantidos pelo sistema financeiro e proporcionam a renda de aposentadoria que for contratada.

  • Urso Rx

    É isso aí, não esperem verdade sobre a Previdência vinda do mercado financeiro! Quando havia até sete contribuintes para cada beneficiário (anos 50, 60, 70), sucessivos governos usaram dinheiro de contribuições previdenciárias para construir inúmeras obras de infraestrutura no país. Só na construção de Brasília foram bilhões! Ora, se desde o início do sistema todo esse dinheiro tivesse ficado em um compartimento estanque a salvo das garras de políticos demagogos e tivesse sido aplicado em investimentos seguros e rentáveis, hoje haveria dinheiro para pagar todos os benefícios com folga. Mas, mesmo com essa sangria, a Previdência foi superavitária pelo menos até o governo Lula! Esta é a verdadeira dívida histórica que deve ser paga pelo povo brasileiro! É estarrecedor ver políticos aprovando leis para proteger idosos e doentes graves de maus parentes que surrupiam cartões bancários para usá-los em benefício próprio ao mesmo tempo em que admitem “reformas” (vandalismo na verdade) na Previdência que no final das contas resultam no mesmo delito!

  • Cauê Gomes

    É sempre bom esclarecimentos, porque onde a constituição vem com “mercado” e seus “dominadores; oque conduz é o capital”, que coloca povo e contra governo votado, o povo contra povo, para ocultar uma crise se agravando pela má gestão interina. E se livrar dos olhos do povo com suas corruções.

  • Joao Pizysieznig Filho

    Eu mesmo já vivi isso!
    Economizei para férias fantásticas na Europa. Trinta dias, só em hotéis cinco estrelas. No final, não pude ir, porque tive que usar o dinheiro para pagar meus aluguéis que estavam com vários meses de atraso. Uma injustiça! Afinal, meu fundo de férias era superavitário!

    • Juscelino Damasceno

      WOW!!
      Refutando uma Tese de Doutorado???
      Qual mesmo a sua formação acadêmica???

      Sei …

      • João Lopes

        Matémática de primário!?

      • João Lopes

        Entra no portal da transparência, onde o governo divulga as despesas e as receitas e faça as contas! Não precisa mais que a o primário pra refutar a tese de doutorado.

    • Germano Weirich

      Esse gosta de uma dívida!

  • Lucas Borges Rocha

    Isso foi o pior lixo que tive o desprazer de ler ultimamente. O sonho dessa maluca é termos um país completamente destruído como a Grécia.

    • Gustavo H. A. Ferreira

      Pq lixo? Mostre argumentos, seja mais inteligente!

      • Josué De Melo

        Simples, vá no portal da transparência e faça você as contas.
        Previdência tem receita e despesa especifica, separada da assistência social e da Saúde. Tanto é verdade, os benefícios sociais concedidos pelo INSS, aqueles que não precisam de contribuição tem repasses do MDS, enquanto os benefícios previdenciários são pagos Pelo Ministério da Previdência e Agora é o ministério do trabalho. E Mesmo que fosse, por acaso a Saúde ta tudo beleza? Tem deficit do mesmo jeito!! A autora confunde os conceitos básicos da previdência social. E poe tudo no mesmo balaio, Saúde, Assistência e Previdência, quando cada um tem fontes de receitas específicas.. Texto patético

        • Marcelo Fernandes

          Cara, não leva a mal mas seu texto não faz lé com cré. A CF88 diz claramente que a seguridade social será financiada pelas receitas que a entrevistada listou. E a seguridade compreende a previdência, a saúde e a assistência social. Quem paga o quê é mera questão administrativa. Não há em lugar algum a obrigação de que a Previdência seja financiada exclusivamente pelas contribuições sobre folha.

          • João Lopes
          • João Lopes

            As receitas estão previstas na lei 8212/91

          • João Lopes

            E não é mesmo! Pode consultar o portal da transparência as receitas e despesas e mesmo juntando tudo… a despesa é bem maior que a receita. Isto se chama deficit, entendeu!?

          • Marcos Ramos

            E você acredita em papai noel, coelinho da páscoa e doende….Como um Governo totalmente corrupto em todas as suas esferas pode ter um “Portal de Transparência”??? Quantos Bilhões já foram Desviados em propinas em apenas 01 ano??? Muito mais que esse déficit….O problema do nosso país está em nós mesmos…Estamos loucos, discutindo um contra os outros, e enquanto isso, perdendo o pouco que ainda temos….vivemos hoje num tipo de escravidão moderna…ganhando migalhas e achando que está muito bom…Acredito que devemos nos unir e quebrar essas correntes, sem partidos, sem políticos…Ir pras ruas, brigar pelo que deveria ser nosso…

          • João Lopes

            Acontece, essas fontes, todas as citadas no texto estão claramente descritas no portal da transparência, inclusive com os valores exatos, previstos e arrecadados… E as receitas da Saúde e da Assistência, são distintos!… Informação do governo… Parece transparente! E todos que responderam ninguém se atentou a uma informação básica! Eu disse: vá no portal da transparência e faça você as contas, ninguém fez e ainda me criticam… Tem como provar que o texto é enganoso com matemática cara! é ISSO!

        • Marcelo Da Matta

          Texto patético ? Ou alguém precisa realmente aprender direito previdenciário ! Sugestão…. Leia os livros do AFRFB kerlly hubback e Fábio zambith !

          • Rubens Gonçalves

            eles so sabem ler se for traduzido. e mesmo assim ainda não sabem ler nem na língua pátria.

          • Vitor Sorenzi

            Na verdade só sabem ler que for na veja, exame ou Istoè. Ou se sair no JN

          • João Lopes

            Mas onde estão os números? O governo tem obrigação de participar com 1/3 das receitas. O restantante é financiando conforme a lei 8212 prevê.

          • João Lopes

            Quais são os números? eu tou falando de matemática meu amigo. Foi omitido do texto que o financiamento e tripartite. O que significa que o governo participa com 1/3 das despesas pelo artigo 194… Mas vamos apegar aos números… Onde eles estão no texto. Me mostre.

          • João Lopes

            E o portal da transparência mostra as fontes das receitas e as despesas! Olha lá!… Pela Constituição, a base de financiamento da Seguridade Social inclui receitas como a CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido), Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) e as receitas de concursos de prognóstico (resultado de sorteios, como loterias e apostas). Tudo isso está em detalhes! Há, eu não gosto muito do Fábio Zambith … Fiz um curso com o Kerlly Ruback… Mas eu prefiro o Professor Hugo Goes… a propósito, eu trabalho com direito previdenciário todos os dias! É um saco

        • Denise Vírgula

          Quais são as fontes específicas para cada um?

        • Rodrigo

          Patética é a sua resposta. Quando a previdência paga a aposentadoria dos trabalhadores rurais que nunca contribuíram você se omite e não fala nada não é mesmo? Pelo seu raciocínio isso não deveria sair da previdência pois a receita é específica não é mesmo???? Quando o governo dá isenções fiscais às empresas privadas, retirando receita da previdência, você também não fala nada, não é mesmo??? O correto seria o governo devolver esse dinheiro, via tesouro e com correção monetária, não é mesmo???? Tente estudar e apresentar fatos, contas, cálculos atuariais, e quem sabe assim alguém acredite no que você escreve.

          • João Lopes

            O que é benefício previdenciário esta discriminado a lei 8213… Os benefícios previdenciários tem caráter contribuitivo, já a assistência e saúde, não! Visite o portal da transparência e entenda de onde vem os recursos.

          • http://masbicudo.com/ Miguel Angelo Santos Bicudo

            João Lopes, vc poderia instruir passo a passo como fazer essas contas, e como obter essas informações a partir do portal da transparência? Se possível mostre onde os dados estão no portal, pois para o leigo é difícil filtrar os dados, são muitas opções existentes no portal. Seria de grande utilidade. Grato desde já.

          • dllbr

            o pessoal adora um estado em. e o protege, o pessoal tem 100% de plena informação que esse dinheiro da previdência é realmente fruto de uma boa gestão e que na verdade está deficitário. Se fizermos as contas em um salário minimo de 880 a contribuição do do inss entre patronal e empregado é de 176,00
            se pegarmos essa aposentadoria e calcularmos de 176,00*420 meses. teremos 422,784,02 por pessoa. A expectativa de vida de um Brasileiro é de 75 anos e a media de um Brasileiro se aposentar com 60 anos receberá pelo menos 15 anos. Ou seja o trabalhador receberá de volta do governo 158.400 no total, ou seja 37,50% daquilo que lhe foi tomado pelo governo. Essa é a conta. As despesas existem mas um percentual recebido é muito inferior ao pago durante o tempo para aposentadoria, levando em consideração um salário minimo por mês. Pessoal diz que existe transparência sobre os valores. Me recuso a aceitar a informação.

    • Marco Aurélio de Castro

      Primeiro mostre suas qualificações depois fique a vontade para debater o assum

    • Jean Augusto Carvalho

      O que destruiu a Grécia foi justamente seguir as medidas de “austeridade” (só pros pobres) tão defendidas por vocês, além de abrir as pernas pro FMI.

      • Lucas Borges Rocha

        Não, não foi.

  • Danilo Mendonça

    É muito esclarecedora o fato de que a previdência deveria fazer parte da seguridade social. Que se fosse considerada, havia superávit. Mas a pergunta é: são apenas as exonerações que consumem o dinheiro da seguridade social que deveria ser parte da previdência? Onde mais esse dinheiro é usado? Bolsa família e outros programas sociais não fazem parte?

    Acho muito válida a tese. Apenas acho que não podemos ficar no 8 ou 80. É preciso olhar para as regras atuais da previdência e buscar entender se podem ou não ser melhoradas para a atual realidade para que mais dinheiro possa ser usado em outros setores que provem seguridade social. Não dá para simplesmente colocar a questão como interesses de trabalhadores versus interesses do mercado e que nada na previdência precisa ser alterado. Se a população hoje vive mais, as regras não podem ser as mesmas de 30 anos atrás. Se esse debate não for enfrentado pela esquerda, será feito sozinho pelo mercado, sob o argumentos óbvios como o da mudança demográfica. Portanto, acho que a pesquisadora tem um grande argumento que contradiz a ideia de déficit, mas sua solução de ‘política macroeconômica voltada para o pleno emprego e que gere taxas elevadas de crescimento’ passa pela confiança de investimento no país que passa pela sustentabilidade da dívida pública. O crescimento para sustentar a previdência depende do fechamento das contas públicas. Descartar quaisquer mudanças na previdências sob o argumento de que há dinheiro sobrando, quando o fato é que falta dinheiro até para investimento em infraestrutura necessária ao crescimento que ela se refere, é um tanto míope. O diabo está nos detalhes. Em quais regras podem e devem ser atualizadas.

  • Alberto costa

    Os covardes que sempre comeram e enricaram do povo humilde deste pais,e que não fazem nada so pensando em aumentar imposto para gerar maiores salários e ficam sentados com a boca do bolso aberto para entrar mais dinheiro é que não São humanos não pensam na população carente que começa cedo e morre mais cedo e não influi de muitos anos aposentados se caso passar por esses inúteis é Bom que o povo não pague mais como autônomo ai é que a previdência vai se Ferrar são uns infames.